sexta-feira

Hold me



tocas (-me) numa melodia de concerto ao ar livre onde repouso olhares de águ(i)a

escuto-te em lágrimas rezando o terço de pérolas  aos deuses que castigam a indiferença.
a alma da cor das palavras. beijo de mar nas manhãs submersas em leitos velados. 
beijos abandonados__________________________________ e caio num sono de profeta mutilado.

pulsares de gritos de ave. sempre na distância dos sabores ácidos do tempo. finita a esperança do prelúdo de lágrimas___________________________________árvore de musica em palavras que alegram o dia nas noite em que o sono se divide em p.a.s.s.a.g.e.m. marcante

i
n
o
l
v
i
d
á
v
e
l

amar(-TE) é uma viagem, que faço sentada __________ de olhos fechados, sorriso aguado_______ joelhos abraçados pelo futuro que sei.