sábado

cHá De MeNtA




Desafio-me em coragem,
trago-me


Desafio-me em coragem

trago-me n.á.u.f.r.a.g.a

em ondas
que rebentam [no] meu peito


pálidas [as] ideias que não [se] desenham 

sorrisos emudecidos

assim os dias secos por um suor húmido
que me é mordaça

beijo então o vento

aguados os dias de um Janeiro que se intromete

áspero e silencioso,
sem passado, cem memórias

A penetrar a alma em arco-íris
imobilizando os ruídos da tristeza.


Abismo-me.
E sorvo-me inteira, num voo a rasar o sol.